Líder em soluções de tecnologia e infraestrutura digital para empresas, cidades e nações
Nossos números
mais de
950
data centers
implementados no Brasil
e em 12 países da América Latina
mais de
400
IoCs implementados no Brasil
e em 12 países da
América Latina
mais de
22 milhões
de horas de Serviços
Continuados com
99,999% (Tier IV) de
disponibilidade
mais de
700
colaboradores dedicados
à operação de
ambientes de TI
mais de
R$ 3 bilhões
de projetos
entregues
nos últimos 7 anos
Nossas Soluções
Infraestrutura de TI
On & Off Premise
IoT & IoC
Solutions
Green Efficiency & IT
Perfomance Services
Serviços
Especializados
Serviços
Continuados
Available. Efficient. Sustainable.
Até 2025, o mundo produzirá estimadamente 175 zettabytes de dados, os quais precisarão do suporte de uma completa infraestrutura de TI. Com os parâmetros atuais de crescimento, o consumo energético da infraestrutura digital será o responsável por 1/5 do uso global de energia.
A green4T acredita e promove a mudança de paradigmas, atrelando os conceitos de sustentabilidade e eficiência. Por isso, a empresa criará soluções de infraestrutura de baixa impacto energético, com PUE máximo de 1,5, para que, nos próximos 10 anos, a iniciativa possa reduzir 60% da energia consumida por todos os data centers na América Latina. A energia poupada neste processo poderá causar impacto de 67 TWh - energia suficiente para iluminar 3 milhões de residências.
Insights
Sustentabilidade & Eficiência energética
Como a tecnologia pode ajudar o planeta?
Mai de 2021
A recente Cúpula do Clima convocada pelos Estados Unidos no final de abril, cobrou das grandes potências econômicas mundiais ações mais efetivas nas próximas três décadas visando a redução real das emissões de gases do efeito estufa (GEE), com o objetivo de controlar o aquecimento global em 1,5ºC até 2050. Em meio a discursos, promessas e anúncios importantes, o evento deixou um alerta bastante claro: é preciso acelerar a transformação sustentável dos processos produtivos, da matriz energética dos países e do próprio modo de vida da sociedade, para que se viabilize o equilíbrio entre a existência humana e a preservação do planeta. O assunto é a agenda prioritária mundial deste século no pós-pandemia e envolve todos os setores da economia: de fabricantes de carros a produtores agrícolas; da indústria têxtil aos gigantes da internet. Mexe, sobretudo, com o setor energético, cuja reinvenção é crucial para o sucesso de uma missão que coloca todas empresas sob a mesma bandeira: a da longevidade econômica. Leia mais em: A transformação digital da indústria de óleo e gás Em linhas gerais, a combinação de produtividade com baixo impacto ambiental, o controle mais rigoroso sobre o consumo de recursos naturais e a inauguração de um novo jeito de viver das pessoas deve contribuir na diminuição dos efeitos das mudanças climáticas que estão porvir. Trata-se, portanto, de uma corrida contra o relógio ambiental cujos ponteiros não podem ser simplesmente parados. É possível, no entanto, que se desacelere o ritmo e se diminua o impacto dos acontecimentos. Para isso, é fundamental se criar uma consciência situacional antecipada, que permita a tomada de decisão de forma mais assertiva para a implantação de estratégias inteligentes e ágeis de mitigação. Neste contexto, um dos agentes mais habilitados a colaborar com governantes, empresas e sociedade é a tecnologia.
LEIA MAIS >
Infraestrutura Digital
A importância da manutenção pós-garantia do data center - Episódio 16
Mai de 2021
Fabiano: Olá, seja muito bem-vindo, bem-vinda a mais um episódio do podcast greenTALKS. Este conteúdo está disponível nos nossos canais da green4T no Spotify, no YouTube e também em nosso blog Insights. O tema deste podcast são os serviços de manutenção pós-garantia para equipamentos, componentes e peças de data center. Vamos falar sobre essa solução e sua relevância para as empresas e organizações. Para esta conversa, convidamos Juan Antonio Reybaud, Especialista em Serviços de Tecnologia e Infraestrutura da green4T e que fala conosco direto de Buenos Aires. Juan, muito obrigado pela sua presença e por aceitar o convite. Juan: Olá, obrigado a vocês pelo convite! Fabiano: Só explicando, o Juan é argentino, mas com família brasileira, então, eventualmente vamos ajudá-lo em algumas palavras para que todos nos compreendam da melhor forma. Juan: Eu acho que meu português está bem, visse, Fabiano? Fabiano: Está muito bom mesmo. Mas vamos lá: Juan, para começar, como podemos definir um serviço de manutenção pós-garantia para equipamentos de data center? Quando ele surgiu e como ele é encontrado no mercado hoje? Juan: Então, Fabiano, para começar a falar sobre a pós-garantia, eu acho que primeiro é necessário explicar um pouco do ciclo de vida do hardware. Uma vez comprado, ele vem com garantia de três a cinco anos, dependendo do fabricante. Quando essa garantia expira, o cliente pode renová-la, com preços que a cada ano vão incrementando de maneira exponencial. Uma vez que essa extensão de garantia chega ao fim, o fabricante decreta uma renovação ou uma data de ´end of service life. Quando as renovações finalizam, o equipamento chega nessa data de fim da vida útil. Então, a partir dali, o cliente tem duas opções: ou compra um equipamento novo e faz um refresh do data center, ou continua usando o equipamento sem o suporte da fabricante. E não é novidade que o principal objetivo do fabricante é, uma vez decretado esse fim de vida útil, orientar o cliente a fazer a renovação com a compra de um equipamento novo. O serviço de pós-garantia é basicamente uma garantia estendida sobre storage, servidores ou equipamentos de networking que estão dentro desse ambiente de TI, de data center. É um serviço que pode começar ao final da garantia inicial ou mesmo quando se decreta o fim da vida útil. Com respeito ao surgimento, este é um modelo de serviço que nasce na década de 1990, quando um grupo de ex-funcionários dos principais fabricantes acharam esse nicho de mercado, uma oportunidade nascida da necessidade justamente de muitas empresas de continuarem usando os equipamentos após essa data que determina o fim da vida útil pelo fabricante. Este é um serviço relativamente novo para a nossa região, apesar de ter mais de 30 anos de funcionamento nos Estados Unidos. O verdadeiro boom deste modelo foi após ele ser publicado no Market Guide for Data Centers, em 2016. A partir dali, esse modelo teve um crescimento exponencial. Fabiano: Perfeito, vamos aproveitar que isso é algo relativamente novo aqui na região para explicar como funciona na prática este serviço? Juan: Na “prática” funciona como uma apólice de seguro. É um serviço que inclui todas as peças de reposição, caso exista algum incidente, junto com o serviço técnico especializado para deixar o equipamento em funcionamento caso exista algum tipo de problema com ele. Junto a isso, existe a possibilidade que alguns fornecedores oferecem de associar uma solução ou uma ferramenta de monitoramento automatizado para detectar de forma proativa qualquer falha que possa acontecer, abrindo um chamado automaticamente e informando para o engenheiro e para o cliente qual o tipo de incidente. Uma vez avisado, a ferramenta aciona automaticamente essa visita técnica e um engenheiro é enviado para o cliente para solucionar o incidente em questão. Fabiano: Certo, vamos entender, então, quais as vantagens em se adotar um serviço de manutenção pós-garantia de data center, Juan? Juan: Eu vejo uma vantagem operacional em ter toda a experiência simplificada que esse tipo de modelo oferece aos gestores de TI. É um ponto único de contato para resolver todas as incidências, independentemente da marca ou do equipamento. Aí outra grande vantagem é que o end of service life, ou fim da vida útil, não é mais um limite derradeiro para o uso do equipamento. Mas eu acho que as vantagens mais importantes são a financeira – que é uma redução imediata do output ou custos operacionais – e o alívio no capex, na hora de postergar esse refresh do equipamento. Assim, você otimiza o uso e destina o capex em outros projetos dentro do departamento ou da área de TI. Fabiano: Perfeito, Juan. Bem, acredito que possa haver uma noção equivocada de quem nos ouve de que este é um serviço que só serve para as grandes empresas. Isso é verdade? Juan: Não, toda empresa que tem a infraestrutura on premise, ou seja, servidores, storage ou equipamentos de networking, independente do porte e do tamanho do parque, tem grandes benefícios na hora de contratar esse tipo de serviço. Toda a área de TI que precisa prolongar a vida do data center, é um potencial cliente desta solução. Tanto empresas privadas, como organismos públicos. Só para te dar uma referência, 90% das empresas da lista Fortune 500 e 30 empresas da Forbes 100 incluem esse tipo de serviço na sua estratégia de manutenção de data center. Eu tenho um case para comentar que é bem recente: no Japão, uma importante empresa do setor de serviços financeiros teria de lidar com um iminente refresh ou atualização de compra de equipamentos novos, dos seus equipamentos de rede a um custo de US$ 40 milhões. Os gestores consideraram várias opções e perceberam que precisavam de mais tempo para tomar uma decisão. Foi quando contrataram um serviço de manutenção pós-garantia e, assim, conseguiram adiar os custos de capital e ganhar o tempo necessário para fazer uma avaliação mais correta sobre onde gastar o dinheiro. Muitas organizações públicas usam esse tipo de serviço, desde prefeituras locais até a maior agência aeroespacial do mundo dos Estados Unidos. Vale para todo mundo. Fabiano: É uma solução com um espectro muito amplo, não? De uso e de acesso. Juan, para entender e para finalizar, por que é tão importante empresas, organizações de qualquer, tamanho buscarem esse tipo de serviço? Juan: Então, eu acredito que todo serviço que ajude na otimização do budget é essencial. Ainda mais hoje em dia, na situação e no contexto em que todo mundo está vivendo, ter um parceiro que possa oferecer esse serviço com a qualidade melhor ou igual ao dos fabricantes e, além disso, representar uma economia de 30% a 50%, é um grande diferencial. As maiores consultoras de TI do mundo recomendam considerar a estratégia de manutenção híbrida, com a fusão entre o suporte do fabricante e um parceiro que consiga oferecer esse tipo de serviço de manutenção pós-garantia. E eu acho muito importante, Fabiano, ressaltar que o parceiro não vem para substituir o fabricante, mas para complementar a estratégia de manutenção e atuar onde o fabricante deixa de atuar. Fabiano: Realmente, economia de 30% a 50% não é algo desprezível nem agora e nem em momento nenhum! Muito bem, acho que a gente conseguiu dar em um bom panorama do que é essa solução e eu gostaria, então, de agradecer: conversamos aqui com o Juan Antonio Reybaud, que é Especialista em Serviços de Tecnologia e Infraestrutura aqui da green4T, sobre o serviço de manutenção pós-garantia para equipamentos de data center. Para quem gostou do podcast e também gostou do sotaque pernambucano e argentino, uma mistura muito bacana, esse foi o nosso grande especialista Juan, a quem eu agradeço a presença. Juan: Eu que agradeço a vocês, Fabiano, muito obrigado pela oportunidade. Fabiano: Então é isso, espero que você também tenha gostado deste podcast, curta bastante, compartilhe este e outros conteúdos relevantes sobre tecnologia que postamos no blog INSIGHTS, no site da green4T, e também em nossas mídias sociais. Muito obrigado e até breve!
LEIA MAIS >
Infraestrutura Digital
Como evitar os danos gerados pelo incidente no maior provedor de nuvem da Europa?
Abr de 2021
Quando as chamas que consumiram quase metade do complexo de data centers francês OVHCloud – o maior provedor de computação na nuvem da Europa –, foram controladas, na manhã do dia 10/03 deste ano, uma pergunta invadiu os pensamentos de gestores de tecnologia e CIOs das empresas pelo mundo afora: será que a minha infraestrutura de TI está segura e livre deste tipo de catástrofe? Naquela altura, enquanto mais de 100 bombeiros faziam o rescaldo do fogo que consumiu por completo cinco pavimentos de um dos quatro centros de dados da planta em Strasbourg, o comitê gestor de risco da empresa francesa entrava em contato com os clientes – bancos, indústrias, varejistas online e órgãos governamentais de países como o Reino Unido, a Polônia e a própria França – para dar orientações quanto a implantação dos seus planos de recuperação de desastres (Disaster Recovery Plan). Foi uma noite longa e um dia seguinte tenso para tentar remediar o impacto de um evento que deixou dezenas de milhares de sites e aplicações inoperantes num piscar de olhos. Passado mais de um mês do acidente, as causas do incêndio ainda não foram identificadas pela polícia local e isso tem feito aumentar o nível de inquietação de acionistas e stakeholders de companhias cujo core do negócio está intimamente ligado ao processamento de dados. A preocupação tem razão de ser: em um mundo cuja economia está cada vez mais data centric, proteger devidamente a integridade dos dados não é atributo, mas uma exigência de quem tem bilhões de dólares a perder.
LEIA MAIS >
Cidades Inteligentes
Smart Cities e a Indústria de TI - Episódio 15
Abr de 2021
Como a tecnologia bem aplicada pode ajudar na administração do fluxo de pessoas nas áreas urbanas, na inteligência para a gestão pública e na melhoria da qualidade de vida das chamadas cidades inteligentes. Este é o tema do episódio 15 do podcast greenTALKS, com Carlos Morard, Diretor Internacional de Desenvolvimento de Negócios da green4T. Acompanhe. Fabiano Mazzei: Olá, seja muito bem vindo, seja muito bem vinda a mais um episódio do podcast greenTALKS. Este conteúdo está disponível nos nossos canais no Spotify, no YouTube, mídias sociais e também em nosso blog Insights. O tema deste podcast é “Smart Cities e a Indústria de TI”, onde vamos falar sobre a relação entre esses dois setores, sobre os drivers e as questões fundamentais que estão influenciando ambas as indústrias, sobretudo neste momento pós-pandemia, e o que as cidades precisam priorizar para estarem inseridas neste novo contexto. Para esta conversa, convidamos Carlos Morard que é Diretor Internacional de Desenvolvimento de Negócios da green4T. Ele está em Madrid, fala direto da Espanha, e de lá cuida de toda a nossa atuação na Europa, Norte da África e Ásia. Carlos, muito obrigado por aceitar o convite e por estar aqui conosco para conversar sobre este tema tão interessante. Carlos Morard: Obrigado você pelo convite. E vamos lá. Fabiano: Muito bem, vamos complementar então o nosso início de conversa. Falar um pouco sobre smart city e a noção que muita gente tem de que isso é um evento tecnológico, quando na verdade vai muito além disso. Eu gostaria de ouvir o seu comentário a esse respeito. Carlos: Sim. Obviamente associar a palavra “smart” remete a tecnologia e claramente à capacidade que a tecnologia tem para acelerar o processo de coleta de dados, análise de dados, de interconexão de dispositivos e pessoas. Tudo isso é super relevante e talvez seja a parte mais charmosa de tudo. Mas, por trás disso, temos um fenômeno humano que é fundamental e como já coloquei no início, é um fenômeno de urbanização, como nunca vimos na história da humanidade, em grandes dimensões. Por isso que Smart City tem três vetores fundamentais que compõem a abordagem a essa ilustre disciplina. O primeiro é atender a administração desse fluxo urbano para a cidades, onde os países emergentes têm 80% desse crescimento acelerando muito. A segunda questão desse processo de urbanização é a inteligência, que é como a tecnologia bem aplicada pode facilitar a vida dessas pessoas nas cidades – depois vamos abrir um parênteses para detalhar melhor isso. E a terceira questão é o impacto real, como alcançar o accountability (medição) deste impacto para entender se esse fenômeno é controlável e virtuoso, se tem riscos ou simplesmente é um processo que vai trazer no futuro mais prejuízos que benefícios ou mais benefícios que riscos. Então, crescimento urbano, inteligência para a gestão e a medição real do impacto são os três pontos chaves que compõem o big picture das smart cities. Fabiano: Entendi. Bem, ouvindo você mencionar estes três pontos, a gente pode entender que, nesse contexto de Covid, eles foram impactados também? Quais foram os drivers que precisaram passar por ajustes mais profundos com relação a esse contexto de pandemia? Carlos: Olha, a pandemia acho que, no contexto da evolução da indústria – e vamos deixar de lado o grande impacto humano – foi um grande alerta antecipado para voltar alguns passos para trás e entender que smart city tem que primeiro criar conceitos e infraestruturas básicas para não gerar uma concentração humana em áreas onde você não pode fazer o Crisis Management (gestão de crise) ocasionada por uma pandemia, uma queda de energia, uma queda generalizada de conectividade, entre tantas outras coisas. Fabiano: Um evento climático, né? Carlos: Pode ser um evento climático, mas quando você sai de uma densidade rural de cinco pessoas por quilômetro quadrado para uma densidade de 2 mil pessoas por quilômetro quadrado – e que, além disso, estão em movimento –, claramente você tem que incluir o conceito, uma palavrinha nova, que foi talvez o ponto chave do último congresso sobre a Smart Cities aqui na Europa em outubro do ano passado, que é o conceito de resiliência. É fundamental, como uma condição básica para que a cidade possa ser resiliente, que seja feito um mapa de riscos e um plano de gestão desses riscos. Tudo isso não estava nas prioridades dos congressos e da indústria – obviamente porque todo mundo quer falar de coisas agradáveis, não quer falar de tudo o que pode não dar certo pelos riscos. A indústria gosta de vender soluções para melhorar o que se chama de a "qualidade de vida" das pessoas. Então, na pandemia, por exemplo, uma questão concreta que mudou é o conceito de desenho das cidades, que estava muito orientado para um conceito de cidade monocêntrica, ou seja, uma grande cidade com toda a infraestrutura necessária concentrada. Isso mudou, como definição da indústria, para cidades policêntricas – ou seja, você não tem mais um cluster monocêntrico. Um bom exemplo, abordado no congresso de Paris, é a cidade de 15 minutos: você tem um monte de cidades de 15 minutos que fazem parte de um centro urbano, mudança impulsionada pela pandemia. Por quê? Porque senão você não pode gerenciar confinamentos cirúrgicos. Por exemplo, você não consegue confinar toda São Paulo, mas você pode medir e indicar que em determinado bairro você tem que fazer um confinamento cirúrgico, entendeu? Então, acho que a Covid foi um alerta adiantado para parar e voltar a pensar o que a gente faz como gestão de crise para não concentrar muito risco para as pessoas. Fabiano: Esse é um ponto muito interessante: você entender a cidade como um agrupamento de pequenos centros, para efeito de gestão – embora torne a coisa mais complexa também – mas ela torna a gestão muito mais eficiente nas cidades, não? Carlos: Muito mais eficiente. Mas é interessante trazer algumas medições porque, como eu falei no terceiro ponto, que é essa medição do impacto, nós temos aqui um estudo na Europa, que foi feito em 2018 com os primeiros valores que mostram a tendência atual. Por exemplo, nós temos aqui sete pontos de medição para entender as melhorias e a evolução da implantação de conceito de Smart City em áreas chaves, que depois a gente pode repassar. Mas os números mostram que, por exemplo, o tempo que um cidadão tem para fazer uma solicitação ao governo caiu entre 45% e 65%. O tempo de comutação entre tarefas de cidadãos caiu de 15% a 20%. Ou seja, a gente tem mais tempo para viver porque perdemos menos tempo fazendo coisas com o governo e menos tempo precisando interagir com outras pessoas. Na questão da segurança, com o foco nas fatalidades por problemas diversos na cidade, o tempo caiu entre 8% e 10%. O tempo de resposta a acidentes e problemas de segurança caiu entre 20% a 35%. Ou seja, ficou mais rápida a resposta ao cidadão. A questão da detecção e prevenção do crime tem melhoras, dependendo da cidade e da tipologia do crime, de 30% a 40%. E esse número, quando você estuda o que tem por trás dele, são aqueles crimes mais frequentes na cidade e não aquele crime sofisticado, mas tudo o que acontece nas ruas no dia a dia. Por outro lado, o custo de viver na cidade para o cidadão – por conta essas melhorias – caiu 3%. O emprego formal, graças a interação da tecnologia e a transformação digital, cresceu 3%. A conectividade social entre pessoas, ou seja, a participação cívica entre cidadãos dentro da sua comunidade melhorou ou aumentou 15% – e, dentro das áreas geográficas diversas, melhorou em 25% essa conectividade. E o impacto ambiental, em relação as emissões de gases de esfeito estufa, já está caindo na faixa de 10% (9,7%). O consumo de água foi melhorado em 35% e o tratamento de resíduos que podem ser reciclados melhorou 27%. E finalmente, a questão de saúde, a quantidade de pessoas que foram salvas por novas políticas que em outro contexto estariam mortas, deixando fora o efeito do Covid, melhorou entre 8% e 15%, dependendo da cidade que estamos olhando. Então, quando você vê esses números, você tem o ponto chave que é a smart city. A partir destes pontos de medição, conseguimos verificar como a gente pode administrar melhor o nosso tempo e gerenciar o impacto desse aumento da urbanização. Fabiano: Perfeito. Mas quando você menciona a medição e, portanto, o impacto desses fatores todos, a gente está falando de captação de dados, de tecnologia também, não é? Como é que você vê essa situação na Europa – dos investimentos em inteligência tecnológica aplicada às cidades – em relação aos mercados latinoamericanos ou propriamente o Brasil? Carlos: Bom, claramente, sem tecnologia você não pode começar a falar de smart city. Agora, como nós gostamos de falar sempre em nossa empresa há muito tempo, a tecnologia ela não é nem boa, nem ruim. Ela é fantástica quando faz parte de um bom plano, uma boa política, de estratégia – ou pode ser muito ruim. Mas por que a tecnologia pode ser muito ruim? Porque existe uma confusão quando você fala de "transformação digital". Todo mundo fala de transformação digital da empresa, do governo, das pessoas, mas a transformação digital não é usar um computador ligado à internet para automatizar um processo que antes você fazia manualmente. Por quê? Porque aquele processo que foi criado na função de negócio, gestão de governo ou qualquer outro, foi pensado para um contexto de interação de pessoa a pessoa, olho no olho, ou correio postal com correio postal. Então, quando você faz uma automatização com computador super veloz com 4G ou 5G, você na realidade está fazendo uma aceleração de um processo obsoleto, que traz mais prejuízos com tecnologia do que quando se faz manualmente, como foi desenhado originalmente. A transformação digital é criar novos processos a partir da tecnologia que temos hoje disponível, com uma arquitetura onde você pensa que as pessoas vão ter uma identidade digital, onde você vai ter que garantir níveis de segurança e de proteção de dados conforme necessário, e que você vai ter grandes bases de dados onde – com a aplicação de inteligência artificial – você vai conseguir trazer respostas que você não conseguiria imaginar na época em que era manual. Porém, transformação digital – e com isso concluo a resposta – é fundamental como uma política pública, onde o governo tem que balizar esse caminho para que as pessoas e as empresas privadas, por fora dos ciclos políticos, possam fazer investimentos para fazer essa transformação em toda a sua função de negócios e na sua vida pessoal. Fundamentalmente nas áreas das quais nós falamos de como equipar sua casa, de como pensar o transporte, como pensar que carro vai comprar, como olhar o futuro. Ou seja, políticas públicas tornam a tecnologia algo com que podem e estão interligadas e sincronizadas. Fabiano: Ok, perfeito. Você fala direto de Madrid e gostaria que você comentasse qual é o nosso interesse, a nossa participação ativa na região da Europa? Carlos: Bom, nós temos aqui duas missões muito claras. A primeira missão é que, clientes da Europa que estão de olho em fazer negócios na América Latina, podem ter de minha parte o primeiro nível de apoio para colaborar com a estratégia de como entrar no mercado da América Latina, apoiando-se na green4T para todas as suas necessidades. E a segunda missão, que é fundamental, é que nós aqui não estamos no dia a dia operacional da LATAM. Então, nós estamos focados em participar dos fóruns, em pesquisas, em detecção e medição de performances de novas soluções muito focadas em nossas áreas de competência no Brasil e na LATAM. Então, podemos falar que a minha participação aqui é estar olhando o futuro para que nossa empresa possa participar como um player world class da discussão da indústria do Smart City e, depois, classificar soluções, categorizar e priorizar para levar o melhor do mundo aos nossos clientes em nossa área de atuação. Fabiano: Perfeito, Carlos, para finalizar, já que falamos de futuro e estamos falando de cidades inteligentes, como é que você vê esse futuro de cidades inteligentes aqui no Brasil com seu olhar aí da Europa? Carlos: Olha, o Brasil, assim como a LATAM, diferente da Europa, tem uma diversidade cultural, geográfica e de negócios que é difícil falar como uma só coisa. Mas eu penso que o gestor público no Brasil, ele tem uma vocação de pensar e planejar o futuro muito bem orientado para a transformação. Porém, o fenômeno da urbanização não é uma opção, é uma questão para administrar. Eu acho que o gestor público no Brasil está olhando de perto isso, acho que as lições da pandemia estão trazendo também outros desafios. Eu vejo que depois da pandemia, com uma situação normal, vai iniciar um ciclo muito virtuoso de inovação, de criar soluções escaláveis e modulares nas áreas de transporte público e saúde, na detecção antecipada de riscos, gestão de crises e de medir tudo o que está acontecendo na cidade para depois ter um acervo de dados suficientes para imaginar soluções para melhorar o tempo das pessoas na cidade, a inteligência do transporte, a complementação pública ou privada. E finalmente, eu gostaria de colocar que não se tem smart city se o conceito de gestão da cidade não é do funcionário público para o cidadão, mas sim do gestor público com a participação do cidadão. E não tem smart city se não tem "cidadão inteligente" também, porém, esta é uma questão cultural que também tem de ser tocada. Fabiano: É uma questão da inclusão do cidadão exatamente na criação das políticas públicas. Isso é muito Smart City, né? Carlos: Exatamente. Fabiano: Muito bem. Eu preciso encerrar este podcast, infelizmente, então, gostaria de agradecer ao Carlos Morard que é o Diretor Internacional de Desenvolvimento de Negócios da green4T sobre toda essa conversa que tivemos agora e abrir para seus comentários finais. Carlos: Sou eu que agradeço. Um abraço para toda a comunidade das nossas mídias sociais, clientes e pessoas interessadas sobre esse grande desafio que temos que viver juntos. Fabiano: Muito bem, então é isso. Muito obrigado, Carlos. Eu espero que você também tenha gostado desse podcast, portanto, curta bastante. Compartilhe esse conteúdo e outros conteúdos relevantes sobre tecnologia publicados em nosso blog Insights, YouTube, em nossas mídias sociais e aqui no Spotify. Muito obrigado a todos e até o próximo episódio.
LEIA MAIS >
Transformação Digital
O futuro chegou: a virtualização do trabalho
Abr de 2021
Em fevereiro, uma pesquisa publicada pela MIT Technology Review afirmava que 80% das empresas brasileiras desejariam manter parte de suas equipes em home office mesmo após o fim da pandemia. Este percentual – construído com dados levantados junto a 1.400 executivos de companhias do País – revela uma das maiores e mais relevantes mudanças na vida do planeta pós-Covid: o trabalho remoto. É fato: o hábito de usar máscara e higienizar as mãos com álcool gel nunca mais deixará a rotina das pessoas, assim como o home office não desaparecerá do dia a dia das empresas. Outro dado do mesmo estudo indicou que 93,5% dos profissionais desejam ter uma jornada híbrida de trabalho – parte em casa, parte no escritório – a partir de agora. Essa conjunção entre o novo modo de trabalhar adotado pelas companhias e a percepção positiva por parte das pessoas sobre a prática gerou um "novo normal" que deve ser mantido a partir deste ano. Entretanto, há um desafio embutido no processo: como realizar essa transição de forma segura, ágil, controlada e a um custo financeiro possível?
LEIA MAIS >
Cidades Inteligentes
Mobilidade urbana em tempos de pandemia - Episódio 14
Mar de 2021
Fabiano Mazzei: Olá, seja muito bem-vindo, seja muito bem-vinda a mais um episódio do podcast greenTALKS. Este episódio, aliás, é muito relevante pelo momento que vivemos, porque se trata de um tema extremamente importante para a vida de todos nós: "Mobilidade urbana em tempos de pandemia". Para falar sobre isso, temos uma convidada muito especial: Eleonora Pazos, Head do escritório da UITP na América Latina – UITP que é a União Internacional dos Transportes Públicos – e a gente conversa com ela a partir de agora. Eleonora, muito obrigado por ter aceitado o convite e seja muito bem-vinda ao podcast. Eleonora Pazos: Obrigada, Fabiano! Quero realmente agradecer a green4T por este convite. De fato, é extremamente interessante poder estar aqui e compartilhar com vocês algumas coisas que a UITP vem fazendo. Fabiano: Muito bem, obrigado. Bem, voltando à pergunta inicial, quais são os impactos que a gente já pode detectar de tudo aquilo que aconteceu na mobilidade urbana no Brasil e no mundo? Eu sei que a UITP realizou dois estudos importantes sobre este tema em 2020, então, gostaria que você falasse um pouco do trabalho e destes estudos. Eleonora: Bem, deixa eu contar um pouco para quem não conhece o que é o trabalho da UITP. Como você disse no começo, é a União Internacional dos Transportes Públicos, presente em mais de 100 países, com mais de 1.300 organizações – tanto governamentais, autoridades públicas em todas as esferas, operadores de transporte (públicos e privados) de todos os sistemas urbanos e também uma participação da indústria do setor de provimento de serviços do mundo inteiro. Quando você fala dos estudos, a UITP utiliza muito essa ampla rede para realmente balizar o que a organização vem desenvolvendo. Voltando para a pergunta tão desafiadora, de fato, o impacto da pandemia nos sistemas de mobilidade foi muito severo. Ninguém considerava imaginar o que acabou acontecendo com estes sistemas de mobilidade. Primeiro, uma queda de circulação de pessoas nas cidades, algo universal e que aconteceu em todas as regiões do mundo. Obviamente, se a gente for falar de determinadas cidades no Brasil e de outros países em desenvolvimento, o impacto sempre é maior, até por questões econômicas e pela própria dinâmica dos lugares. Tivemos essa queda abrupta e que permanece até hoje. Acabei de receber um relatório de mais de 50 cidades do mundo todo referente a demanda de passageiros. Apesar de ter passado um ano da pandemia no mundo ocidental, de fato, a grande maioria dos sistemas ainda não recuperou a sua demanda, ficando abaixo dos 60% de ocupação. Obviamente, de semana a semana vemos uma variação conforme temos a segunda e a terceira onda, mas isso tem se mantido – a perda de passageiros – e no Brasil muito mais. Atrelado a isso, uma perda de receita muito forte com a suspensão de serviços em muitos países. Ao mesmo tempo, as cidades foram transformadas pelas "teles" – o teletrabalho, a tele-educação, a telemedicina, entre outros – e pelo comércio eletrônico. Voltando aos estudos, a UITP realizou dois após o início da pandemia para avaliar o que foi feito pelas cidades, o que ainda precisa ser realizado e quais as medidas mais bem-sucedidas que foram usadas para a recuperação das cidades. Falamos em tendências globais e, aqui no Brasil, sobre o desequilíbrio socioeconômico e a não circulação de pessoas gerando um impacto nos sistemas de transportes. A tipologia das cidades sendo alteradas pelos teles e algumas mudanças relacionadas a questão do novo estilo de vida que as pessoas provavelmente vão ter a partir de agora. Parâmetros de viagem que serão alterados com um repropósito: as pessoas costumam viajar para a escola, trabalho, universidade e isso tende a ser alterado. O re-timing, graças a flexibilidade de horário das pessoas, que não viajarão mais sempre às 7h da manhã e retornarão às 18h. E o repace: provavelmente viagens mais curtas, no entorno do passageiro, muito mais do que longas viagens diárias como as de trabalho. Claro que temos de fazer uma avaliação mais de longo prazo quando nos referimos ao Brasil. Evidentemente que as grandes cidades brasileiras vão demorar mais para se recuperar do que as pequenas, já que estas dependiam menos do transporte público e tinham uma quantidade de deslocamentos à pé e de bicicleta muito maior. Uma grande tendência também é o processo de digitalização do transporte. Da noite para o dia, passou a ser necessário a venda de créditos, de tickets por meio de mobiles, de vários devices, da transmissão de informações aos passageiros, enfim, uma digitalização do setor que já existia, mas que ficou muito mais acentuada por necessidade inclusive sanitária. Associado a isso, as tecnologias aplicadas à eficiência operacional dos transportes e ao gerenciamento de demanda, que vemos surgir como necessidade de controle da pandemia e também sanitárias. Então, toda essa inteligência do transporte público que sempre se falou e dos seus investimentos, deixam de ser apenas necessários para se tornarem obrigatórios por uma questão de sobrevivência do setor. Falando de padrão de mobilidade, vimos em alguns países uma tendência ao transporte individual, com aquele sentimento de receio em usar o transporte público – que ficou com uma imagem bastante abalada, muitas vezes sem motivo. Se disseminou muito a ideia de que o transporte público contamina e vimos que este efeito foi mais sentido na América do Norte e América Latina. Já na Europa foi ao contrário: cresceu o sentimento de que o transporte coletivo é saudável para as cidades e vai ajudar a recuperar o ambiente urbano a se tornar mais resistente à novas contaminações ou desequilíbrio por uma pandemia. Ao mesmo tempo, a questão de um aumento de modais alternativos, com os compartilhados ainda em cenário um pouco incerto, já que as pessoas estão com receio de compartilhar a carona – embora haja um sentimento em retomar esse tipo de transporte. Também um aumento no uso de bicicletas e uma tendência ao transporte ativo. Resumindo, o cenário é outro, a cidade é outra e o transporte vai precisar se preparar para uma nova realidade, sem dúvida nenhuma. Fabiano: Muito bem, uma boa análise inicial do tema. Nesta visão do transporte público, temos vistos cenas de lotação, com picos de uso aqui no Brasil. O que seria, então, o gerenciamento do pico de acesso do transporte público e que tipos de ações os governos e a iniciativa privada podem tomar para colaborar nesta questão? Eleonora: Vou resgatar o estudo que a UITP fez ano passado e que envolvia 32 organizações de todo o mundo. Fizemos uma análise do porquê o gerenciamento do transporte é uma política pública importante. Em pleno processo de pandemia, dividimos as cidades em três grupos: aquelas que nada fizeram porque acharam que tudo retomaria ao que era a qualquer momento; aquelas que reconheceram a mudança, mas não identificaram que tipo de política pública deveriam fazer (+60% das cidades); e quem já entendeu que tudo mudou e já partiu para a frente na elaboração das políticas, com investimentos em digitalização e na infraestrutura, em ações de governança para modelos de negócio que entendam que os sistemas estão muito vulneráveis e dependentes das receitas geradas pela demanda, em tecnologias verdes, muito menos impactantes como a eletrificação e no gerenciamento de demanda. Se buscarmos em documentos dos anos 1950, já se falava disso. Uma sugestão para que cada categoria profissional entrasse em um horário diferente no trabalho. Escritórios, fábricas, escolas, cada um no seu horário. Tudo isso na tentativa de amenizar o pico, buscando uma distribuição da demanda durante o dia, o que vai custar muito menos investimento em infraestrutura ou frota, além de benefícios nos custos operacionais. Mas era muito difícil obter esse escalonamento de horário amplo, seja como política pública, seja na imposição, sobretudo porque a grande maioria das viagens era em cadeia: a mãe que levava o filho na escola, que seguia para o trabalho e retornava para pegar o filho de volta antes de ir para casa. O que a gente vê hoje com essa nova dinâmica da vida das pessoas, com os teles sendo realidade, essa visão regulatória e de gerenciamento se torna muito mais real. Ou seja, amenizar aquela grande concentração de pessoas – o que requer políticas públicas –, é possível como é o caso de Milão. A cidade italiana implementou isso ao final de dezembro e tem funcionado. Claro, ainda com restrições, a cidade tem diversas restrições de funcionamento, mas o que a gente vê realmente é a unificação deste gerenciamento de demanda – tanto do ponto de vista operacional, como associado a outros investimentos em informações ao passageiro e sistemas de metrô com pré-booking: você reserva o horário que pretende ir e verifica a ocupação dos veículos para poder escolher qual está mais vazio. Essa flexibilidade na rotina das pessoas aliada a uma tecnologia que permita fazer, de fato, esse gerenciamento – estimulando as pessoas a se beneficiar disso – é o que a gente tem visto como uma das grandes tendências do transporte. Uma aliança entre a política pública, com as cidades intervindo e impondo regras; o investimento do operador, que vai ter de informar qual o melhor horário para você viajar; e a adaptação ao novo estilo de vida do cliente, que vai querer um transporte mais vazio e adequado a sua nova realidade. O gerenciamento de demanda veio para ficar, mas temos de falar um modelo de gerenciamento unificado de mobilidade. É algo fundamental para que a cidade funcione, com os operadores falando a mesma linguagem, com a mesma regulação. Essa unificação dos sistemas, que sempre foi determinante para o bom funcionamento do transporte público, começa a se tornar obrigatório se o setor quiser realmente sobreviver a longo prazo, principalmente em países em desenvolvimento como o Brasil. Fabiano: Muito interessante isso e nós vemos o quanto a gestão disso se tornará complexa. Poder público e iniciativa privada juntos, cada um com o seu papel. Eleonora: Sem dúvida, teremos que ter uma gestão pública muito clara do que quer para a cidade. Sem regras, cada um vai correr para um lado. O operador tem que seguir essas regras, mas naquele modelo unificado, que vai além da infraestrutura em si e passa pela questão de dados, por exemplo. Compartilhamento de dados: como vamos fazer essa gestão? Quem será o proprietário destes dados para compartilhar e conseguir obter esse gerenciamento único e essa oferta única de transporte? Temos de incluir a unificação dos pagamentos também. E isso nos aproxima das plataformas de Mobility as a Service, a mobilidade como serviço. Algo que parecia ficção científica há pouco tempo, que diziam que faltaria governança unificada do operador público e do privado, principalmente no Brasil, onde temos várias esferas de poder. Então, tem esse desafio. A partir do momento que conseguirmos unificar esses dados e criar regras para esse compartilhamento, para regulação, gerenciamento e controle disso, poderemos ter êxito. Mas este é um cenário que tem de ser trabalhado imediatamente, visto que está dependendo a sobrevida de nossos sistemas de transporte – deixando de lado a questão dos financiamentos. É esse o ponto que você tocou: a questão do público e do privado, todo mundo junto, e alguém regulando tudo isso. Fabiano: Então eu quero aproveitar o gancho que você deixou, a mobilidade como serviço – e eu gostaria que você comentasse este conceito – e como ele vai ajudar a melhorar a qualidade do transporte público nas cidades. Eleonora: A mobilidade como serviço é a unificação de um ecossistema totalmente aberto hoje, com operadores públicos e privados, de transporte de massa e individual – carros, bicicletas e táxis, por exemplo. A partir deste momento, com todo mundo em uma única plataforma, isso vai permitir que o cliente –eventualmente em um processo de dificuldade econômica e sem alternativa de transporte –, possa escolher qual a melhor combinação de modais. No entanto, já vimos antes no Brasil que em qualquer melhora da economia, temos uma queda muito grande no volume de passageiros. Mesmo no transporte público individual, como os táxis, vemos uma perda de passageiros que, muitas vezes, vai preferir se juntar em grupos para ter um serviço porta a porta. E temos de ver o que o nosso cliente quer: um serviço porta a porta, da maneira mais econômica e alguém que oferte isso numa única plataforma. Que consiga integrar informações em tempo real, meios de pagamento e todo o sistema de oferta de mobilidade da cidade: desde a bicicleta, o carro compartilhado, a vaga, se você vai fazer a sua principal distância no metrô ou de ônibus... Então, estamos falando de informação em tempo real e de todos os sistemas urbanos e meios de pagamento em uma única plataforma – com vários provedores públicos, privados, contratados, juntos e competindo em preço e qualidade de serviço em um lugar só. Esse vai ser o pulo do gato. Além de ter uma eficiência dos sistemas – e, talvez, os operadores tenham de reduzir os números agora para ganhar todos juntos ali na frente –, as cidades vão entender que deverão ter um marco regulatório bastante claro. É importante ter as regras do jogo para essa unificação funcionar. Fabiano: Dando continuidade, tudo isso vai demandar muita tecnologia já que estamos falando de geração de dados o tempo inteiro. Este será o papel da tecnologia no setor dos transportes de passageiros a partir de agora? Eleonora: Sem dúvida! Não é possível imaginar a sociedade sem tecnologia. Já falamos de 5G, blockchain, uma série de novas tecnologias que estão engatinhando no transporte público, mas a partir do momento que elas entrarem mais fortemente, não terá como reverter esse processo. Já o início da pandemia representou um salto para o setor de transporte na questão de investimentos em novas tecnologias. Da noite para o dia, as grandes cidades se viram literalmente obrigadas a fazer estes investimentos para poder manter a demanda mínima de passageiros, informando o status do serviço e meios de pagamento online, algo que não existia em muitos lugares. Se formos falar no ciclo inteiro: planejamento de transporte e grade operacional, isso é um mundo de tecnologia que, se não investirmos nessa eficiência no planejamento do transporte, seguramente vamos ter enormes desperdícios – o que não será mais aceito por ser uma questão de sobrevida do setor. Somado a novas soluções de mobilidade, que passa necessariamente pelo on demand, um meio de transporte quase porta a porta, onde se escolhe o local de embarque – com ensaios bem sucedidos no Brasil –, e que traga uma eficiência operacional muito grande. Depois disso, o famoso pricing, que seria a tarifação flutuante, algo que a gente ainda não explora, mas a tecnologia hoje já nos permite. Explorar a lei da oferta e demanda e regular os preços de acordo. O processo de digitalização muito forte, é outra etapa. E, para encerrar este ciclo, a informação ao passageiro, que é fundamental e que, agora, traz novos elementos que são as questões sanitárias e de lotação. Tínhamos exemplos disso em uso, inclusive na cidade de São Paulo, um sistema que indicava a lotação do metrô. Mas agora, a ideia é gerenciar a vontade do passageiro em estar ou não naquele meio de transporte. A informação se torna algo determinante neste momento por outras questões que não estavam sendo atendidas anteriormente. Fabiano: Toda essa conversa remete a um futuro que já começou a ser construído. Eu vou convidar você a viajar até 2050 e imaginar um mundo com 70% das pessoas morando nas cidades, conforme previsão da ONU. O que vai ser a mobilidade urbana em um mundo tão cheio de gente? Eleonora: Bem, se eu vou viajar mesmo e você vai me dar o direito de sonhar, primeiro eu sou muito otimista. E essas tendências aceleradas pela pandemia têm feito as pessoas repensarem a vida nas cidades. Então, espero que tenhamos mais espaços nas cidades. Claro, este sonho precisa de regulação e de estímulo econômico sobretudo para acontecer – ou a gente corre o risco de ser apenas uma visão futurista e chegaremos em 2050 e estarmos discutindo a mesma coisa. É preciso sair do plano da discussão e se tornar realidade. Tem a questão do verde. Termos cidades e os seus sistemas de transporte muito menos poluentes, menos agressivos ao meio ambiente. De fato, é uma questão predominante que a sociedade tem demandado. Eu costumo brincar dizendo que há 20 anos ninguém falava em mobilidade e o transporte era uma coisa que pouco entrava na agenda política: todo mundo falava de educação e saúde. Hoje, as autoridades, governos e candidatos já incluíram o tema na pauta. Então, como isso está na agenda da sociedade agora e estará nos próximos anos, eu desejo um transporte muito mais inclusivo ambientalmente. E da tecnologia ninguém escapa. Eu me lembro que 10 anos atrás, em uma conferência de bilhetagem, falavam sobre meios de pagamento por celular e alguém levantou a mão e disse que, como a maioria das sociedades é pobre – realmente, a penetração dos smartphones nas classes CDE era de 15% naquela época –, ninguém teria aquele tipo de aparelho porque era muito caro. E isso não se confirmou. O que vimos foi uma explosão dessas tecnologias. Muitas delas vieram para ficar e a democratização delas vai permitir a gente viva a experiência, de fato, de um transporte público mais eficiente. E, com isso, teremos uma sociedade mais diferente. A vida nas cidades com um padrão de mobilidade bem diferente do atual. Eu imagino que isso que estamos vivendo pelo segundo ano, de poder escolher os horários de viagem e não ter essa determinação rígida feita pelo sistema, vai permanecer. Então, em 2050, eu me imagino em um veículo elétrico, absolutamente silencioso, com baixas emissões de gases, em uma cidade muito mais limpa, escolhendo o horário em que eu vou viajar, uma viagem completa e unificada, que me permita escolher várias alternativas de transporte. Temos de começar a trabalhar hoje para alcançar isso, mas, de fato, eu gostaria de encontrar estes quatro blocos: a flexibilidade da viagem, veículos tecnológicos, meios de transporte mais limpos e uma total adequação à esta realidade que parece estar se perpetuando para os próximos anos. Fabiano: Muito bem! Então, o futuro da mobilidade tem de ser mais verde, mais eficiente e híbrido, com várias soluções integradas em uma plataforma só. E com muita alta tecnologia por trás, certo? Eleonora: Sim e teremos uma tecnologia espalhada pela sociedade, de uma forma muito mais inclusiva do que é hoje. E seguramente veremos isso mais rapidamente. Fabiano: Bem, Eleonora, muito obrigado. Infelizmente temos que terminar este podcast. Hoje falamos com Eleonora Pazos, Head do escritório da UITP na América Latina, sobre Mobilidade urbana em tempos de pandemia. Eleonora, muito obrigado pela entrevista e por nos ajudar a entender um pouco melhor sobre o impacto de tudo isso que está acontecendo em especial na mobilidade urbana. Eleonora: Muito obrigado, foi realmente muito divertido. Fabiano: Então é isso, espero que você também tenha gostado deste podcast, curta bastante e compartilhe este e outros conteúdos relevantes sobre soluções de tecnologia e infraestrutura digital que postamos no blog INSIGHTS, no site da green4T, e também em nossas mídias sociais. Muito obrigado e até o próximo episódio!
LEIA MAIS >
VEJA OS INSIGHTS >
Política de Privacidade
Termo de utilização
Política de Cookie
Mapa do site
© 2019 Aceco TI. All rights reserved